Um estado rico, condenado à pobreza?
09/07/2024 18:00 em Politica

Por Leandro Mazzini Com Equipes DF, RJ e SP

O grito de socorro do Amapá ecoa cada vez mais alto entre gabinetes do Palácio do Planalto e da Esplanada. Mas só o Ibama e o Ministério do Meio Ambiente se fazem de surdos para a importância econômica e barram a autorização de pesquisas para exploração de petróleo na foz do rio Amazonas.

 

A demanda causa uma briga discretaentre os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Marina Silva (MMA).

 

Já é certo no Governo que um deles vai cair ano que vem por causa disso. Não se trata das margens de Macapá – e sim dezenas de quilômetros da costa marítima além da foz.

 

Os defensores da atividade citam que o Amapá registra o 26º PIB do País, alto índice de suicídios entre jovens, sem perspectivas para estudo superior, emprego e renda; não tem um polo de entretenimento (a orla da foz, seu cartão postal, carece até de um passeio com gradil). Macapá não possui um shopping e nem um bom hotel 3 estrelas.

 

Enquanto a vizinha Guiana Francesa, que autorizou a exploração, vive boom econômico há duas décadas, e a capital Caiena tornou-se a “Miami” do Norte da América do Sul.

 

 

COMENTÁRIOS