Fone(99) 3525-1636

ZAP(99) 99168-5235

Anomalia Pigmentar: Conscientização mundial sobre o Albinismo

Ao longo da vida, as pessoas com albinismos sofrem muitas discriminações, seja no âmbito social, profissional ou político, o qual são frequentemente invisíveis. As exclusões aumentam as chances de desenvolverem problemas de autoestima, ansiedade e depressão.

Sendo uma rara condição genética e não contagiosa, o albinismo pode atingir ambos os gêneros, independentemente de etnia. O distúrbio é caracterizado pela falta de melanina (responsável pela pigmentação dos cabelos, pele e olhos e pela proteção contra os raios ultravioletas).

Assim, o tom de pele varia do branco aos amarelados ou amarronzados, os cabelos podem ser completamente brancos, amarelados, avermelhados ou acastanhados. Já a cor dos olhos pode variar de azul muito claro quase transparente a castanho, podendo ser, inclusive, vermelhos – quando a total ausência de pigmento deixa visíveis os vasos da retina.

Por tanta singularidade, a Organização das Nações Unidas (ONU) tornou o dia 13 de junho o Dia Mundial da Conscientização Sobre o Albinismo, para que se entenda melhor sobre esse distúrbio e combata o preconceito acerca dele. E para aprofundarmos no assunto, convidamos o médico dermatologista Dr. Rafael Soares, para explicar sobre essa anomalia.

O especialista diz que é possível que esses indivíduos tenham uma vida normal e construam famílias. “Apesar de ser caracterizado por uma mutação genética, as pessoas albinas, obrigatoriamente, não terão filhos com a mesma condição, pois existem sete tipos de genes diferentes, relacionados a todas as pigmentações do nosso corpo, o qual a mutação delas podem ser diferentes se cruzadas com outros”, iniciou.

“Isso porque a criança pode herdar os genes saudáveis dos dois. Mesmo se herdando o gene albino, será compensado pelo saudável do cônjuge. Então não é certeza, pois se trata de uma mutação esporádica, não sendo autossômica dominante”, completa.

*Albinos são longevos?*

Pessoas com albinismo são mais suscetíveis a doenças, sendo a mais comum o surgimento de câncer de pele, devido ao fato de haver pouca ou nenhuma melanina. Mas não há uma idade mínima ou máxima para dizer o tempo de vida de uma pessoa albina e, de acordo com o médico, esse fator vai depender do tipo de anomalia que o indivíduo porta – atualmente, é aceito mais de 10 classificações de albinismo.

“Se for apenas abismo cutâneo ou oculocutâneo, os indivíduos podem ter uma longevidade normal, desde que não se exponham ao sol, até mesmo para não acontecer de desenvolverem um câncer mais agressivo e acabar abreviando a vida deles. Relacionado a algumas síndromes mais graves, a longevidade cai por causa da associação com doenças de outros órgãos”, explica.

Por isso o segredo da longevidade está nos cuidados. “O ideal é que seja um protetor que funcione contra raios tipo UVA e UVB. Devem também usar blusa de manga longa e calça comprida para aumentar a proteção. Ressalto que as roupas longas devem ser associadas ao protetor tradicional, bem como alguns protetores solares orais”.

“Com relação aos olhos, os óculos escuros são os mais indicados e eles também precisam ter lentes com certificação de proteção UVA e UVB. Os albinos costumam ter aversão a luz (fotofobia), então a lente escura vai trazer mais conforto no dia-a-dia”, finalizou.

Embora exista cerca de 10 tipos de classificações albinismo, abaixo listamos as três mais comuns

  • Albinismo ocular, em que é verificada ausência total ou parcial de pigmentação dos olhos;
  • Albinismo cutâneo, em que a pessoa tem pouca ou nenhuma melanina na pele e/ou cabelos e pelos;
  • Albinismo oculocutâneo, em que é verificada falta de pigmentação em todo o corpo.

Sobre Rafael Soares

Rafael Soares é médico pela Universidade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, com título de especialista em dermatologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), assim como pós-graduação em nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Seu número de registro no CRM é 128012-SP.

Na trajetória profissional, além da atuação na dermatologia clínica e estética, assim como na nutrologia, Dr. Rafael Soares se dedicou à docência desde 2009 na mesma instituição onde se formou. Atualmente voltado para ministrar cursos específicos de especialização, o médico é referência no tratamento de doenças de pele e de técnicas exclusivas em estética.

Imagens de Rafael Soares / créditos: Arquivo Pessoal

Demais imagens / créditos: Pixabay

 

Créditos de: Divulgação / MF Press Global

Para entrevistas e dúvidas eu respondo no whatsapp +351 939 895 966 / +55 21 999 989 695

®SISTEMA NATIVA DE COMUNICAÇÃO

© 2009-2020 RÁDIO NATIVA FM 99,5 - Todos Direitos Reservados. IMPERATRIZ-MA

((designer by AEHER))