Fone(99) 3525-1636

ZAP(99) 99168-5235

Após paciente morrer, filha revoltada causa tumulto no Hospital de Augustinópolis

Após caso, Sintras cobrou agilidade na contratação dos serviços de segurança; SES lamentou o ocorrido e disse que abriu processo para contratação de empresa de segurança; a PM foi acionada 

Uma confusão causou estragos na recepção da unidade durante a madrugada desta sexta-feira, 21, no Hospital Regional de Augustinópolis. Uma mulher, de 29 anos, teria cado revoltada após tentar informações sobre o quadro de saúde da mãe, que estava internada, e ser informada que sua progenitora tinha morrido. A Polícia Militar precisou ser acionada.

A informação é que a PM chegou ao local após ser informada que uma porta de recepção do hospital havia sido destruída pela mulher. Ainda estavam no hospital alguns parentes da paciente que havia acabado de falecer. Uma das mulheres relatou que tinha passado a madrugada toda na unidade hospitalar junto com as irmãs em busca de notícias da mãe. No relato, a mulher disse que tempos depois o médico plantonista autorizou a entrada de uma pessoa para repassar a situação, sendo que uma das lhas entrou e voltou à recepção chorando.

A informação ainda é que ao perceber que a irmã chorava por conta da morte da paciente, outra mulher cou desesperada e empurrou a porta da recepção do hospital para entrar e ver sua mãe pela última vez. Nesse momento, o porteiro da recepção disse que não poderia deixar tudo entrar sem autorização. O homem teria segurado a porta. Após um tempo, ao deixar de fazer resistência, parte da porta bateu em um balcão e quebrou.

Esse tumulto assustou funcionários e pacientes. A PM informou que não ficou claro o responsável pelo dano no hospital e, “devido a delicada situação em que familiares acabaram de perder um ente querido e ainda estavam sob forte emoção, a PM orientou aos envolvidos procurarem a Delegacia de Polícia”. As informações são do G1 Tocantins.

Sintra

Em nota, após o caso, o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Tocantins (Sintra) enviou ofício ao secretário de saúde Edgar Tollini cobrando agilidade na contratação dos serviços de segurança para o local. “Servidores continuam sofrendo ameaças e agressões físicas, verbais e psicológicas pela falta dos serviços nas unidades de saúde”, escreveu em nota recebida pelo Jornal do Tocantins.

“Mais um episódio de violência ocorreu causando terror aos profissionais que cumpriam seu plantão na madrugada de hoje no hospital regional de Augustinópolis. A ação violenta que suspeitam ter sido praticada por familiares de uma paciente que foi a óbito gerou medo até aos pacientes internados na unidade de saúde”, relatou o Sindicato.

O Sindicato ainda lembrou que a própria Secretaria Estadual da Saúde (SES) anunciou, ainda em dezembro, que a contratação dos serviços pelo processo de nº 2020/30550/7459 se encontrava em tramitação. Na nota, o Sintras lembra que casos de violência contra servidores da Saúde, como o médico Ricardo Maciel Catuladeira Miranda, morto em dezembro em Santa Rosa do Tocantins, a enfermeira Helenita Cecília Gotz que sofreu golpes de capacete causando lesão corporal na face em Porto Nacional.

SES

Em nota, a SES disse que lamenta o óbito da paciente, “porém não é conivente com atos violentos, como o ocorrido na madrugada desta sexta-feira”, escreve. Também reforçou que não houve feridos e a direção da Unidade acionou a Polícia Militar (PM), que fez o Boletim de Ocorrência (BO) do vandalismo. “Ressaltamos que a Secretaria abriu processo para contratação de empresa de segurança para as unidades hospitalares, e o mesmo segue em trâmite licitatório, na fase de análise de documentos dos licitantes”, escreveu ainda.

Fonte: Jornal do Tocantins

®SISTEMA NATIVA DE COMUNICAÇÃO

© 2009-2020 RÁDIO NATIVA FM 99,5 - Todos Direitos Reservados. IMPERATRIZ-MA

((designer by AEHER))